ola

Menu

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Borá ( Jataizão ) no tronco da árvore


[Figura-1] Borá no tronco

Estava de passeio pelo interior de Minas Gerais, andando pelas estradas da roça, meu olhar aguçado logo avistou um belo enxame de Borá no tronco de uma árvore.

Não resisti e logo fui me aproximando para olhar mais de perto e fazer uma análise do local.

Esse enxame ( figura-1 ) está a beira de uma estrada, a árvore ainda está viva, ou seja, não poderá ser cortada, portanto o enxame estará a salvo por muito tempo.

[Figura-2] Entrada do enxame

Se a árvore estivesse com o tronco em condições precárias, oferecendo risco ao enxame, com certeza teria tomado a decisão de remove-lo para uma caixa racional. Mas no cenário atual, não tem risco nenhum.

Somente um olhar apurado poderá visualiza-lo, sendo assim estará a salvo.

É um enxame bastante defensivo, mas muito bonito.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Caixa INPA - proteção na entrada em funcionamento

[figura-1] Uruçu Amarela
Toda caixa de ASF ( Abelha Sem Ferrão ) pode ser atacada pelas lagartixas, se o suporte prover essa proteção, então pode-se dispensar a proteção da entrada da caixa.

Vejam na figura-1, como as Uruçus Amarelas já estão adequando a forma da entrada ( caracteristica dessa espécie ) dentro da proteção, ou seja, se adaptam com facilidade.






[Figura-2] Uruçu Amarela
A figura-2 mostra com um pouco mais de detalhes essa entrada, a qual é raiada com barro, ainda está se formando, pois o enxame é recem dividido ( enxame novo ).











[Figura-3] Mandaguari Amarela

A Mandaguari Amarela também se sentiu bastante a vontade com a proteção instalada, pois fizeram sua entrada característica dentro da proteção.

Enfim, procuramos ajudar as abelhas para que elas se sintam mais confortaveis no quesito proteção, deixando mais tempo pra elas se desenvolverem em outros pontos, produção de mel, cera, propolis, etc, pois a entrada não é um item a se preocupar.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Uruçu Verdadeira ( divisão ) - praticidade da caixa INPA


[Figura-1] Discos maduros da Uruçu Verdadeira
Beleza !!!

Essa é a reação de qualquer Meliponicultor ao abrir a caixa de suas abelhas.

Pronta para ser dividida. A figura-1 ilustra exatamente isso, discos maduros em uma das alças de aumento da caixa INPA.

Pronto, basta retirar essa alça e montar uma nova caixa filha, muito simples isso, não é mesmo !!!

Bom, se o modelo da caixa fosse diferente do da INPA, provavelmente não seria tão simples assim.

[Figura-2] Ninho e sobreninho

Vejam na figura-2, como ficou após a retirada da alça superior ( onde estavam os discos de cria maduros ), ficou com as crias novas e também com crias praticamente maduras na parte mais embaixo ( ninho ).

Não houve rompimento de potes de pólen e mel, foi uma divisão rápida, sem estresse para as abelhas e sem risco.

Tudo isso devido a praticidade da caixa INPA.



[Figura-3] Nova alça na caixa
Após a retirada da alça com os discos maduros, uma nova foi colocada na caixa mãe ( figura-3 ), justamente para que o ninho possa crescer.

Lembrando que as caixas estão dentro de um padrão, ou seja, todas as caixas tem o mesmo tamanho, isso permite o intercambio de módulos ( alças ).













[Figura-4] Caixa mãe com novo módulo ( alça )

Vejam como ficou a caixa mãe ( figura-4), sobre esse módulo ( novo ) foi colocado uma melgueira, também nova, pois a melgueira da caixa mãe também foi para a caixa filha.

Feito isso, basta vedar com fita crepe ( as uniões de cada módulo ), colocar alimento artificial e se necessário, colocar armadilha para forideo.