ola

Menu

sábado, 26 de julho de 2014

Chuva: as plantas agradecem

[Figura-1] Gotas de orvalho
Este ano as chuvas foram poucas na região Sudeste, e em Campinas principalmente.

Todos sabemos que sem chuva, as plantas sofrem, a natureza se desgasta, e o reflexo nas nossas abelhas é inevitável:
"também sofrem com a falta de néctar e pólen oriundas das plantas".

Mas, nesse Sábado ( 26/07/2014 ) fomos presenteados com alguns "chuviscos", é isso mesmo, chuviscos, pois chuva pra valer, nada, apenas deu uma refrescada no ambiente.

[Figura-2] Trevo com gotículas de orvalho
Esse "chuvisco" foi tão importante que as abelhas tiveram uma movimentação mais intensa, apesar do frio, pois o aroma das flores e pólen, estava por toda parte, e elas aproveitaram o momento para buscar alimentos.







[Figura-3] Folhas de trevo

Já disse isso antes e vou repetir:
"A natureza vive nos presenteando com suas maravilhas, mas devido a nossa correria no dia a dia, não percebemos isso"

Vejam as fotos publicadas neste post, essa maravilha está lá pra gente apreciar, basta dar uma parada em tudo que estamos fazendo e "notar" a beleza que nos cerca e agradecer à Deus por esse presente.


[Figura-4] Gotas de orvalho "redondinhas"
As folhinhas seguram com toda confiança e firmeza, as gotinhas de orvalho que a chuva deixou, até parece que elas ( folhinhas ) estão segurando essas gotas para nos ofertar, nos presentear.

Vivemos na natureza e temos que preserva-la, bem como preservar as abelhas.

Quando toda a humanidade estiver conscientizada dessa importância ( preservar a natureza ) estaremos seguros de nossa existência.



http://instagram.com/photoslcp  Fotos cordialmente cedidas pela equipe LCP Photos.   

domingo, 20 de julho de 2014

Algumas fotos de abelhas

[Figura-1] Mandaguari Amarela
Na figura-1 está a famosa Mandaguari Amarela, uma espécie de ASF muito rústica e resistente aos forídeos, pelo fato de enxame ser constituído por várias abelhas, o enxame torna-se muito populoso e forte, portanto não tem vez para os forídeos.

É uma abelha muito bonita e cheirosa, tem cheiro de coquinho, produz um mel saboroso e sem falar na quantidade de propolis que é produzido por elas.


[Figura-2] Entrada da Mandaguari Amarela
A entrada dessa espécie de abelha pode ser vista na figura-2, é diferente da sua prima Mandaguari Preta, cuja entrada tem o formato de um canudo na cor escura.

Realmente vale a pena criar essa espécie.









[Figura-3] Famosa Jatai

Uma das espécies que gosto muito é a Jatai, veja na figura-3 como ela é graciosa, seu voo é fantástico, nenhuma outra abelha voa como ela ( exceto a Borá, ou Jataizão ), que mais parece uma Jatai "bombada".

Essa espécie precisa ser criada um pouco afastada das outras espécies, pois ela é territorialista e vai perturbar as outras abelhas.
Seu mel é incomparável, chega a ser tratado como medicinal.

Quando você entra nesse mundo de "criar abelhas" com certeza vai descobrir muitas outras espécies que ainda não viu ou teve contato e acaba ficando maravilhado, pronto, mais uma espécie diferente dentro do seu Meliponário, isso mesmo, Meliponario, a partir do momento em que você tem várias espécies de ASF, passa a ser chamado por esse nome "Meliponario".

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.


domingo, 13 de julho de 2014

Proteção de entrada em funcionamento

[Figura-1] Caixa INPA com proteção incorporada
Na postagem anterior fiz comentários sobre um sistema de proteção para entrada das caixas para criação de abelhas sem ferrão ( ASF ).

Esse sistema de proteção é versátil, pois proporciona ao Meliponicultor a facilidade de remove-lo por inteiro, sem danificar a estrutura da entrada, caso ela já esteja formada, e, coloca-la em uma caixa nova ( no caso de uma divisão ), e consequentemente a caixa nova       ( filha ), já ganha de imediato a entrada formada, dando mais tempo para as operárias na organização da nova casa.


[Figura-2] Detalhes da proteção da entrada
Muitas vezes você faz inspeção durante o dia pra ver se encontra alguma lagartixa escondida por debaixo do telhado de cobertura da caixa e não encontra.

Aí você diz:
legal, não tem lagartixa por aqui.

E a noite, como ficam as coisas !!!
Pois é.

Elas ( lagartixas ) saem dos esconderijos ( outro lugar ) e vem atacar, se a cera da entrada estiver macia, elas comem.

[Figura-3] Entrada da Mandaguari Amarela
Nas figuras 1 e 2 podemos ver com detalhes como a proteção foi incorporada à entrada da caixa.

A figura-3 mostra um enxame de Mandaguari Amarela com esse sistema de proteção instalada e em funcionamento.

Portanto, qualquer lagartixa que for tentar capturar uma abelhinha, não vai conseguir, pois elas estão protegidas do lado de dentro do cone.

Para as novas caixas INPA 20 x 20 cm, já estou incorporando esse sistema de proteção durante o processo de fabricação.

Como já disse anteriormente:
"Temos que levar proteção e conforto para os enxames que estamos criando".

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.




sexta-feira, 11 de julho de 2014

Proteção para entrada das caixas das Abelhas Sem Ferrão

[Figura-1] Proteção montada
É isso mesmo !

"Proteção para entrada das caixas de Abelhas Sem Ferrão".

Quantas e quantas vezes já deparamos com uma lagartixa "rondando" a caixa, esperando o momento certo pra abocanhar uma abelhinha gordinha com gosto de mel. Pois é...

Para contornar esse problema, os criadores recorrem à alguns sistemas de proteção, o qual é colocado na entrada da caixa.

[Figura-2] Madeira furada

Essa proteção, mostrada na figura-1, é mais um dos muitos modelos já existentes no mercado.

Agora, esse modelo que apresento aqui é um pouco mais versátil e prático. Vocês verão como.

A figura-1 mostra a proteção totalmente montada, bastando fixa-la na entrada da caixa a qual você pretende proteger.
 




[Figura-3] Garrafa e tampa furada
Esse modelo pode ser usado em qualquer caixa.
Como ele é afixado na caixa por parafusos, isso facilita no momento de multiplicação, pois basta retirar essa proteção da caixa mãe, cuja proteção vai estar com o formato da entrada da espécie ( Mandaçaia por exemplo, vai estar com aquele barro rajado pronto dentro da garrafa ) e não vai desmanchar devido a proteção sair inteira, ou seja, não vai danificar a famosa entrada, que é a característica de cada espécie. Em contrapartida, outros modelos de proteção não oferecem esse recurso, portanto não dá para remover a proteção e leva-la para a caixa filha. e como sabemos, se a entrada da caixa filha já estiver pronta, vai ajudar muito as campeiras localizarem e também a entrada pronta já começa a fazer a sua parte: que é proteger o enxame contra os invasores.


[Figura-4] Tampinha encaixada no furo


Como construir esse modelo de proteção ?

Bom, vamos por partes:
a figura-2 mostra a madeira já furada para receber a tampinha da garrafa de coca-cola ( pra esse modelo, estou usando a garrafa de coca-cola de 600ml ).
Os outros dois furos memores é para passar o parafuso de fixação na caixa.




[Figura-5] Tampinha colada na madeira
Na figura-3 podemos ver a garrafa cortada e a tampinha com o furo central. Esse furo quanto mais largo for, melhor, pois a proteção poderá ser usada nas caixas que tem enxames que precisam de mais espaço de abertura na entrada ( por exemplo, a Irai ).

A figura-4 mostra o momento em que a tampinha foi colocada e centralizada no furo da madeira e figura-5 ilustra a tampinha já colada.





[Figura-6] Caixa INPA 20 X 20 ( Uruçu )
Então, agora vamos colocar nossa proteção em uma caixa que vai ser usada para criação de Abelhas Uruçu Nordestina ( por exemplo ).

A figura-6 mostra a caixa sem a proteção.
A entrada está totalmente desprotegida contra as lagartixas.








[Figura-7] Entrada com a base da proteção instalada

Já a figura-7 ilustra o momento em que a caixa já se encontra com a base da proteção fixada na entrada.

Vejam como é fácil instalar esse modelo de proteção, basta retirar ( rosquear ) a parte da garrafa e com uma chave de fenda, fazer a fixação da base simplesmente apertando os parafusos. Todo o conjunto pode ser parafusado sem a necessidade de soltar a garrafa da base, caso queira fazer dessa forma.



[Figura-8] Garrafa rosqueada na base da proteção

 A figura-8 podemos ver a garrafa encaixada ( rosqueada ) na base.

Essa proteção poderá ser retirada a qualquer momento sem trazer transtornos para o enxame, basta desparafusar e retirar a proteção por inteiro.

Isso facilita muito em um processo de divisão, como já disse no início dessa postagem, basta retirar toda a proteção ( completa ) e fixar na caixa filha, onde as abelhas já ganha a entrada feita, não precisando perder tempo e fazer outra, essa incumbência ( fazer outra entrada ) fica para a caixa mãe.
[Figura-9] Entrada com proteção, vista de frente

Vejam como fica a entrada, vista de frente ( figura-9 ), quero ver qual lagartixa vai perturbar as abelhas, elas vão ficar de fora lambendo dos beiços e apreciando os recursos sendo implementados na caixa, levando mais comodidade, proteção e conforto para as abelhas.

Não basta termos enxames em nossos Meliponários, temos que cuidar deles.




É isso pessoal, com um custo baixo ( restos de materiais como pedaço de tábua, garrafa vazia ) conseguimos construir coisas que vão facilitar a vida das abelhas.

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.