ola

Menu

domingo, 27 de outubro de 2013

Preparando a caixa INPA para uma divisão

[Figura-1] Melgueira com potes vazios
Por que não dar uma ajuda no processo inicial de uma divisão de ASF !!!

É isso mesmo:
precisamos dar uma atenção no início e durante uma divisão, até que o enxame esteja estabelecido e com rainha produzindo.

Toda vez em que realizamos uma divisão ( no caso da Mandaçaia ), colocamos um disco de cria maduro em uma caixa nova e fornecemos campeiras de uma outra caixa e em seguida vamos fornecendo alimento artificial ( metade água e outra metada açucar cristal ).

[Figura-2] Módulos extensores com os potes
Todos sabemos que quando as campeiras estão retornando para as caixas, elas estão trazendo ou pólen, ou outro material necessário para o crescimento da colonia.

Pois bem, ao retornarem para as caixas, as campeiras procuram por potes vazios para colocar o material que elas coletaram na natureza ( pólen, nectar, ceivas ), e não encontrando, elas simplesmente descartam esse material e eles caem no fundo da caixa, e se for pólen, estes acabam fermentando e o cheiro azedo vai atrair os forideos e aí as coisas começam a se complicar.

[figura-3] Módulos extensores com potes
Para amenizar e ajudar as abelhas nesse processo inicial ( divisão ), é sempre bom fornecer ceras para que elas possam construir potes para coletar mel e polem.

Se fornecermos essa cera já no formato de potes, vai ajudar muito mais, e de forma mais rápida. 

Vejam nas figuras-1,2  e 3, tanto a melgueira quanto os módulos extensores, foram montados com os potes vazios, potes estes que as abelhas vão utilizar para armazenar o pólen ou mel.


[Figura-4] Ninho com alguns potes vazios
Na parte do ninho, usa-se colocar alguns potes vazios também.  Se as abelhas não o utilizarem para armazenar pólen, elas desmancham e usam para construir células de cria.

Enfim, a cera é sempre bem vinda no mundo das abelhas, pode ter certeza de que se você colocar um pedaço de cera dentro da caixa, rapidamente ele será consumido por elas.

Portanto, vamos ajuda-las, pois na hora de tirar o mel delas ninguém pergunta se podemos tirar ou não, simplesmente tiramos ( roubamos o mel delas ).  Muito justo essa ajuda, um ajudando o outro  ==>  Homem e Abelha.


Grande abraço e muito sucesso pra vocês.



sábado, 19 de outubro de 2013

Simplesmente algumas fotos de enxames


[Figura-1] Entrada da Mandaçaia com proteção
Na foto da figura-1 podemos observar que a caixa de Mandaçaia está com a entrada protegida por um adaptador, isso ajuda muito no combate dos forideos, que é o terror da Meliponicultura.

Geralmente usamos esse artifício para ajudar durante o desenvolvimento do enxame, depois de estabelecido e forte, pode-se retirar essa proteção.




[Figura-2] Enxame de Jatai
Na figura-2 temos um enxame de Jatai dentro de uma caixa INPA. É um enxame novo, por isso a caixa está com a fita crepe vedando as junções dos módulos, isso é feito para dar maior proteção para o enxame durante o processo de adaptação / fortalecimento.  Depois que o enxame estiver forte, essa proteção não será mais necessária.

E para proteger do sol e chuva, usamos um telhado feito de madeira.




[Figura-3] Jatai em caixa INPA
Na figura-3 temos outro enxame de Jatai alojado dentro de caixa INPA, a qual também está protegida com fita crepe e com o telhado.  Esse é um enxame novo.


Lembrando que todo enxame novo precisa de alguns cuidados a mais que os enxames velhos:
alimentação, inspeção, fornecimento de cera, verificar se não tem forideo, etc.





[Figura-4] Boca de Sapo ( enxame novo )
Vejam que interessante:
a espécie de ASF Boca de Sapo ( figura-4 ), o enxame já demonstra sua caracteristica desde novo, a famosa entrada.

Muitos confundem enxame de Arapuá com essa espécie, por falta de conhecimento e prática.  Basta observar a entrada que não tem erro de identificação.






[Figura-5] Boca de Sapo ( Matriz )
Na figura-5 podemos apreciar a entrada de uma Boca de Sapo já adulta ( enxame matriz ), a bocona é enorme.

Essa entrada é feita de um material que se for molhado, pode ocorrer a destruição, mas a reconstrução é bem rápida.  A caixa da foto está protegida com telhado, evitando dessa forma que a entrada seja molhada pela chuva.





[Figura-6] Enxame de Mandaçia
Na figura-6 temos um enxame de Mandaçaia dentro de caixa INPA, e como sempre, também contendo as devidas proteções, pois é um enxame novo ( recém divididos ).











[Figura-7] Mandaguari
A figura-7 contempla a entrada de uma Mandaguari alojda em um toco de árvore.
Esse tocão é meu favorito.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

JATAI - Multiplicação de enxames

[Figura-1] Discos de cria de Jatai
A impressão que temos é a de que os discos são enormes, muito grandes, olhando a foto da figura-1.  Vendo pela ótica das abelhas, realmente são grandes, mas para nós que somos grandões, se aparenta pequeno, simplesmente relação de grandeza.

Mas, vejam só que espetáculo [figura-1], essa divisão, tive que retirar todo o invólucro para ter acesso aos discos de cria maduros que estavam por baixo, se estivessem por cima, seria muito mais fácil e menos traumático para elas.  E durante um processo de multiplicação, não temos como fugir disso, ou seja, expor os discos de cria torna-se uma condição inevitável.
[Figura-2] Outra dimensão dos discos de cria.

Esse enxame está alojado em uma caixa PNN com a disposição para o ninho em um dos lados da caixa. Atualmente esse modelo de caixa ( PNN ) é encontrado com o ninho central, mas ambos os modelos são práticos.  Costumo dizer que cada Meliponicultor cria sua própria identidade, escolhendo a caixa que ele mais gosta de trabalhar / manusear.  Eu uso os modelos que melhor se adaptam as condições de nidificação das ASF ( Abelhas Sem Ferrão ).

Sempre é bom lembrar:
Uma boa divisão é aquela em que você retira discos de cria  de uma caixa e pega campeiras de outra, isso minimiza muito o desgastes das abelhas.  Por isso é sempre bom ter mais de um enxame da mesma espécie.  E o alimento ( pólen ) é retirado de uma terceira caixa, se não tiver a terceira caixa, pode ser retirado daquela que foi pego as campeiras.

[Figura-3] Divisão já instalada e devidamente protegida.
Pronto, a divisão já está feita e a caixa já pode ser instalada no lugar da caixa onde foi pego as campeiras.  Tudo isso é muito fácil, porém, os cuidados durante o manuseio é o fator primordial para o sucesso da divisão. Lembrando que os forideos estão por toda parte e eles são oportunistas.

Agora só resta fornecer alimento energético para elas ( água + açucar ), até que o enxame se fortaleça.