ola

Menu

domingo, 24 de março de 2013

Olha o BICÃO de entrada da colmeia de Jatai !!!

[ Figura-1 ] Caixa com enxame de Jatai
Vejam só que espetáculo de bico de entrada de um enxame de Jatai !!!

Existe uma explicação porque elas fizeram o bico dessa forma:
Quando a caixa fica sob uma cobertura seja ela qual for e a mesma projeta sombra na caixa durante o dia, a Jatai ( principalmente ), procura uma forma de contornar essa sombra projetada no bico de entrada, então ela simplesmente redimensiona a proteção da entrada ( bico ) tentando contornar essa situação ( sombra ) e a mesma confecciona o bico seguindo a luz, no caso da caixa ( figura-1 ) como a luz está mais para baixo da caixa, então o bico ficará projetado para essa direção, ficando dependurado para alcançar a claridade.

Pronto, com o bico inclinado mais para a claridade da luz, a Jatai se sente mais confortavel em fazer seu vôo e aterrisagem durante a coleta de polem e nectar na natureza.

[ Figura-2 ] Bico com duas entradas
Observem que não existe somente uma entrada, tem outra logo acima, conforme podemos observar na figura-2.

Esse enxame está fortissimo, basta ver a cor da cera na ponta das duas entradas, tem uma cor rosada, indicativo de enxame saudavel e forte.

Bom, a outra entrada logo acima existe devido uma necessidade de escape rápido, mas com certeza a que está mais abaixo é a principal.

Essas fotos foram cedidas de um amigo meu, professor da Unesp, o qual também é um grande apreciador das ASF ( Abelhas Sem Ferrão ).

Caso queiram ver o projeto e fotos da caixa que está sendo utilizado nesse enxame, basta clicar nos link's abaixo:


É isso pessoal.

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.

sexta-feira, 22 de março de 2013

PARTICIPE DA HORA DO PLANETA 2013!

 / ©: WWF-Brasil



POR QUE PARTICIPAR?


Porque precisamos mudar nosso futuro para torná-lo mais sustentável. E não podemos ignorar as críticas mudanças ambientais que enfrentamos hoje em dia. Para mudar desta forma precisamos de você. Precisamos de todos nós. A Hora do Planeta reúne indivíduos, empresas, governos e organizações para mostrar o poder do impacto coletivo. 
Junte-se a milhões de pessoas em mais de 7.000 capitais e cidades, ao redor de 152 países, para a Hora do Planeta, a maior mobilização de pessoas do mundo. 
No sábado, dia 23/03, às 20h30, desligue suas luzes durante uma hora.


Nossas Abelhas merecem um mundo melhor assim como nós.


Grande abraço e muito sucesso pra você.




 

Dia Mundial da Água

Se toda a água da Terra coubesse em um balde de 10 litros, a água doce disponível chegaria a apenas 13 gotas.

Você sabia que 97,5% da água do planeta Terra é salgada? Apesar de ser comum dizer que a Terra é o planeta água, apenas 2,5% desse recurso na Terra é doce – ou seja, pode ser usado para consumo próprio. Além disso, a maior parte dela está aprisionada em aquíferos subterrâneos e geleiras. Só 0,26% da água doce da Terra está em lagos, reservatórios e bacias hidrográficas, mais acessíveis ao homem e a atividades econômicas. Isso significa dizer que apenas 0,0065% da água na Terra é água doce disponível. Em resumo: se toda a água da Terra coubesse em um balde de 10 litros, a água doce disponível chegaria a apenas 13 gotas.

Além disso, o consumo dessas 13 gotas vem crescendo mais que o número de habitantes: no último século, a população mundial aumentou 3,6 vezes (de 1,65 bilhão para 6 bilhões de pessoas), mas o consumo de água cresceu dez vezes (de 500 km³ por ano para aproximadamente 5.000 km³ por ano).

Esta é uma das razões pelas quais a ONU indicou 2013 como o Ano Internacional da Cooperação pela Água.

E quais são alguns dos problemas relacionados à água, criados pelo o atual modelo de produção e consumo?

Concentração e dificuldade de acesso. O problema de disponibilidade de água quase nada tem a ver com escassez. Um exemplo é a Indonésia, um dos seis países com mais disponibilidade de água no mundo, onde o volume é superior a 13 mil metros cúbicos de água por pessoa, mas um quarto da população não tem acesso à água potável. No Brasil, as regiões Norte e Nordeste são as que mais sofrem. Apesar de a Amazônia concentrar 81% do potencial hídrico do país, no Norte menos de 14% da população urbana é atendida por sistemas de abastecimento satisfatórios. No Nordeste, apenas 18% da população tem acesso satisfatório à água. e a região ainda concentra os maiores problemas do país em relação à disponibilidade de mananciais, por causa da escassez de chuvas.


Poluição. Segundo a ONU, a poluição é hoje a principal causa da redução dos volumes de água adequada para o consumo, com sérios impactos na vida de cada um, na saúde, nos custos públicos e no meio ambiente. Resíduos industriais e agrícolas e esgoto doméstico sem tratamento são as principais causas da poluição de mananciais.

Desperdício e uso em excesso. Nas cidades brasileiras, o maior desperdício se revela nas chamadas “perdas na rede”. É água que sai limpa, tratada e cara da distribuidora, mas que não chega às pessoas, perdendo-se pelas tubulações velhas ou sem manutenção das empresas ou em instalações clandestinas, os chamados “gatos”. Em média, 37% da água é perdida – um a cada três litros. Bastaria que as concessionárias de água cuidassem de suas redes para reverter esse quadro. Além das perdas na rede, os maus hábitos de uso da água também contribuem para o cenário preocupante: “varrer” a calçada com a mangueira, tomar banhos demorados, descuidar de torneiras com defeito são alguns deles. Mais do que matar a sede, cozinhar, limpar e se limpar, as pessoas “bebem” muita Água Virtual, que é aquela embutida no processo de produção de produtos e serviços. No Brasil e em média no mundo, agricultura, pecuária e indústria consomem nove em cada dez litros produzidos. Da água destinada à agricultura brasileira, apenas 40% é efetivamente usada.

Aumento do custo. Os problemas anteriores levam ao aumento do custo da água tratada. Quanto mais água se consome, se perde, se desperdiça ou se polui, mais será gasto para buscar em novas fontes – em geral, mais distantes – e para tornar potável volumes crescentes de água nas estações de tratamento, volumes que serão desperdiçados e poluídos.

Publicado em : 
 http://www.akatu.org.br/Temas/Agua/Posts/Agua-por-que-e-necessario-tanto-cuidado-com-ela 

sábado, 16 de março de 2013

IRAI - Moradia com subníveis

[ Figura-1 ] Primeiro nível
Como todos vocês sabem a Irai é uma especie de ASF ( Abelha Sem Ferrão ) muito docil e timida, tanto que quando você se aproxima da entrada da caixa onde ela está alojada, elas simplesmente se escondem, deixando a entrada totalmente sem guarda, mas com certeza lá dentro tem ( no bico mais para o fundo ).

Pois muito bem, e não é que elas resolveram soltar um enxame e escolheram justamente uma caixa vazia de Uruçu para nidificar !!!

[ Figura-2 ] Mais detalhes dos subniveis
Imaginem só, a Irai é uma abelha pequena e precisa de pouco espaço para nidificar, geralmente o projeto da caixa pra elas contempla medidas proximo de 15 cm (altura) x 15 cm (largura) x 20 cm (comprimento), essas medidias podem variar um pouco, podemos também utilizar uma caixa INPA ( 15 X 15 ) de Mandaçaia pra elas, sem problemas.

Agora, uma caixa de Uruçu é enorme para elas ocuparem. Mas mesmo assim elas fizeram a moradia e deram um jeitinho "Brasileiro" de se ajeitar lá dentro.

[ Figura-3 ] Ninho no fundo e lateral da caixa
Observem as figuras-1 e 2, nelas podemos ver que a Irai fez dois compartimentos ( níveis ), um deles ficou grudado no fundo da caixa, enquanto que o outro ficou na lateral, e, um tubo de cera interliga esses dois níveis.

Acredito que elas quiseram fazer uma ante-sala e sala.

Com todo esse espaço, elas tiveram que usar batume pra isolar o ninho do resto do espaço que até então não está sendo utilizado. E o batume é uma proteção mais grossa e com certeza elas dispenderam tempo e material pra fazer isso. Sendo que esse tempo poderia estar sendo utilizado pra desenvolver a colmeia.

Bom, se elas estivessem em um caixa racional adequada para elas, esse batume não existiria, e sim involucros. Mas podemos notar que elas se viraram dentro desse espaço e estão muito bem, enxame forte e saudavel.

A natureza nos ensina muita coisa, basta olharmos com um pouco mais de atenção e veremos coisas fantasticas acontecendo à nossa volta no dia a dia.

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.


domingo, 10 de março de 2013

MANDAGUARI - Transferência do toco de arvore para caixa racional INPA

[ Figura-1 ] Mandaguari alojada em toco de arvore
Hoje fiz a transferência da abelha Mandaguari que se encontrava alojada em um toco de arvore, conforme podem ver na figura-1, para uma caixa racional modelo INPA ( 20 x 20 internamente ), mesmo modelo usado para enxames de Uruçus.

Mais uma vez a serra eletrica circular foi a salvação da transferência, pois o toco estava com sua estrutura muito dura e somente com equipamento desse tipo poderia fazer o trabalho de abertura do mesmo.  Uma outra solução seria usar uma motoserra, isso está voltado mais para que vive em sitio ou fazenda, onde os serviços rotineiro exigem equipamento desse tipo.

[ Figura-2 ] Toco rachado e ninho aparente
Bom, depois de alguns esforços para rachar o toco, a recompensa é grande.

Vejam na figura-2 o tamanho que estava o ninho, na parte superior contei 15 discos de cria e na parte inferior 7 discos.

Depois dessa abertura, tive que abrir mais um pouco, devido o tamanho dos discos, para facilitar a retirada e não danificar muito a estrutura do mesmo.

[ Figura-3 ] Enxame alojado em caixa racional INPA


Era enorme a quantidade de abelhas que ficavam esvoaçando em volta do local onde eu estava executando a atividade, incluindo vários beliscoes, que ignorava, pois o prazer de fazer esse serviço era tão grande que isso passava despercebido.

Bom, a parte mais trabalhosa  terminou, e o enxame já se encontra dentro da caixa racional modelo INPA.  Na figura-3 dá pra ter uma noção de como o enxame estava grande e forte, foi preciso colocar 3 modulos de aumento para alojar o ninho e uma melgueira.





[ Figura-4 ] Reaproveitando o toco ( isca )
Terminado toda a atividade, vem a parte de guardar os instrumentos, ferrramentas e limpeza do local.  Chegou a hora de descartar o tocão, tocão esse que foi namorado por bastante tempo, e não tive coragem de jogar fora. Simplesmente reajuntei as partes do toco, amarrei com arame, coloquei um fundo ( redondo ) de madeira e outro na parte superior, também fiz um furo de entrada, inclusive o furo ficou um espetáculo, muito redondinho, dá gosto de olhar pra ele, espero que as abelhas também gostem.

Pronto, o tocão voltou pra sua posição original para receber as abelhas que ficaram para trás e eu fiquei satisfeito por não te-lo jogado fora.

Não se preocupem, o enxame novo na caixa INPA, foi transferido de lugar logo de manhã, o restante das abelhas que insistem em ficar no tocão são as abelhas que já estavam no tocão ainda aberto. Caso ocorra um desequilibrio entre a quantidade de abelhas que ficaram na caixa INPA o tocão ( competição ), atuarei fazendo rodizio entre elas, isso resolve esse desequilibrio.

MEL e POLEM:
Comento aqui que retirei mais de 500 ml de mel desse enxame no momento da transferência e também muito polem de otima qualidade. Realmente fiquei surpreendido com essa especie de abelha:
  1. trabalhadora: o dia nem clareou direito e elas já estão saindo pra atividade externa;
  2. Numerosas: é uma especie de abelha que possui uma população bem numerosa;
  3. Defensiva: elas realmente defendem o ninho com bastante bravura;
  4. Bonitas: pois ficam voando aos montes em volta do bico de entrada;
  5. Mel: produz um mel saboroso.
É isso pessoal, mais uma etapa realizada, agora o enxame estando dentro de caixa racional, fica facil dar manutenção, retirada de mel, fazer inspeção, fazer divisões, etc.

Grande abraço e muito sucesso pra vocês.

sábado, 2 de março de 2013

MANDAGUARI - movimentação intensa na entrada da caixa

A abelha Mandaguari é uma especie de ASF muito populosa. O video que vou mostrar ilusra essa maravilhosa  abelha em sua atividade logo de manhã. O enxame ainda se encontra alojado em um toco de arvore.  Assim que tiver oportunidade vou transferi-lo para uma caixa racional, a qual permite um melhor acompanhamento / monitoramento / revisões, etc. Ela estando no toco, tudo isso é impossivel de praticar, incluindo a alimentação artificial caso seja necessário, não temos como colocar dentro do toco.
Mas é muito bonito ve-las esvoaçando em volta do toco ( as abelhas guardas ), logo de manhã é um alvoroço enorme, elas são muito ativas e produtivas, dá pra ver pela quantidade de polem que vai chegando na entrada da colmeia, trazido pelas campeiras. São abelhas mansas desde que você não esteja perturbando elas, mas caso contrario, elas são bastante defensivas e beliscam pra valer.

Coloquei um telhado em cima do toco para fornecer um pouco de proteção contra as chuvas e sol intenso, até que elas estejam alojadas em caixa modelo racional.

Para quem gosta de ver abelhas esvoaçando, essa é uma especie ideal, enquanto que outras não tem esse comportamento, exceto a Jatai que também gostam de ficar se exibindo na frente caixa.